Além de regatas, competições vai oferecer clínicas para atletas e treinadores

A sub-sede do Cabanga Iate Clube, em Maria Farinha, recebe a partir desta terça-feira a Copa da Juventude de Vela, competição nacional, que reúne jovens velejadores, entre 16 e 18 anos, vindo de oito estados. O torneio também serve como seletiva para o Campeonato Mundial da Juventude, será realizado na cidade de Sanya, na China, em dezembro. Neste ano, além das regatas, haverá uma programação especial, com palestras ministradas por grandes nomes da vela nacional.
 
A Copa da Juventude é uma importante oportunidade para que velejadores encontrem um rumo na carreira. Na competição, estão em disputa algumas categorias de “entrada” para classes de nível olímpico, como Hobie Cat 16, 420, Laser Radial e 29er FX. Ainda consta no programação do torneio a RS:X, que já é olímpica. Ao todo, o campeonato vai reunir mais de 60 atletas, representando 11 clubes náuticos, que vão colocar nas raias do Litoral Norte do estado 40 embarcações. 
 
Pernambuco será representado por Tiago Monteiro na classe Hobie Cat 16, Gustavo Guedes e Rodrigo Villaroel na Laser Radial e Vinícius Oliveira na 29er. Campeão brasileiro de optimist em 2016, Tiago Monteiro completou 16 anos e já não pode mais competir na categoria. No momento, escolheu a classe Hobie Cat 16, atuando ao lado do cearense Adailton Fidelis, do Iate Clube de Fortaleza. “É uma classe em que meu pai e meu tio competiram, então poderiam me passar bastante coisa. Vamos ver os resultados. Se der certo, a gente continua”, afirmou o velejador.
 
Nesta terça-feira, ocorrem as primeiras regatas da competição, que vai até a sexta-feira, na sub-sede do Cabanga de Maria Farinha. Na segunda-feira, os jovens velejadores já tiveram um encontro com Kahena Kunze, medalhista olímpica de ouro no Rio, na classe 49er. Durante a semana, haverá clínicas para os velejadores e treinadores, com integrantes da comissão técnica da seleção brasileira de vela. Vieram para a competição, Javier Torres, técnico de Kahena e Martine Grael, e Alexandre Saldanha, técnico da classe Laser nas Olimpíadas do Rio.
 
“Para mim, é super importante estar aqui ajudando, assim como outros atletas me ajudaram quando eu tinha a idade deles. Acho importante esse convívio de atletas olímpicos com a garotada. A gente tem que aproveitar essa oportunidade para compartilhar nossa experiência e ajudar no que for preciso”, afirmou Kahena, que conversou com os velejadores pela manhã e acompanhou, na água, o treino deles à tarde.