Cerimônia de posse ocorreu na manhã desta segunda-feira (10) e teve aglomerações. Gestor havia sido afastado após operações policiais que investigam desvio de dinheiro público.

Júnior Matuto (PSB) tomou posse da prefeitura de Paulista nesta segunda-feira (10), após decisão do STF — Foto: Reprodução/TV Globo

Depois da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu o afastamento do prefeito de Paulista, Júnior Matuto (PSB), o gestor retomou o cargo na administração nesta segunda-feira (10). Na posse, o prefeito anunciou que recontrataria os servidores em cargos comissionados que foram exonerados. Mesmo de volta ao posto, o prefeito segue sendo investigado por desvio de dinheiro público.

O gestor chegou à sede da prefeitura por volta das 8h50 e foi beijado e abraçado por apoiadores. Não houve cumprimento à recomendação de distanciamento social, feita para evitar a transmissão do novo coronavírus.

Numa cerimônia de menos de 20 minutos, Júnior Matuto fez o juramento à Constituição e tomou posse na presença de nove dos 15 vereadores do município.

Apesar da retomada ao posto de prefeito, Júnior Matuto segue sendo investigado por desvio de dinheiro público, pela Polícia Civil. Júnior Matuto negou envolvimento em práticas ilícitas na prefeitura e informou que a licitação feita em 2012, investigada pelas operações Chorume e Locatário, da Polícia Civil, foi feita em 2012, ano em que ele era vereador em Paulista.

“Vamos colaborar com todas as investigações, mas nesse primeiro momento, o que a gente precisa é distorcer algumas informações. Por exemplo, foi noticiado em todos os veículos de comunicação que nós fraudamos uma licitação. E eu quero dizer a vocês que essa licitação foi feita e concluída em 2012. Eu era vereador da cidade e não o prefeito. Eu não era ordenador de despesas desse contrato”, disse Júnior Matuto.

População se aglomera em frente à Prefeitura de Paulista para a posse de Júnior Matuto (PSB), nesta segunda-feira (10) — Foto: Danilo César/TV Globo

As operações foram deflagradas no dia 21 de julho e, depois do afastamento de Júnior Matuto, o vice-prefeito de Paulista, Jorge Carreiro (PV), assumiu a chefia do Executivo municipal. Jorge chegou a exonerar mais de 1 mil pessoas que ocupavam cargos comissionados na prefeitura.

Entre os exonerados estavam 220 servidores da secretaria de Saúde do município. Segundo a titular da secretaria, essas exonerações ocorreram por uma questão política e não por falta de informações sobre contratos, como alegava a gestão provisória.

Na sexta (7), uma decisão do STF aceitou o pedido dos advogados de Júnior Matuto, de suspensão do afastamento do gestor. Na decisão, o ministro Dias Toffoli afirmou que não existiram indícios de que o prefeito pudesse atrapalhar as investigações da Polícia Civil.

Operações Policiais

De acordo com a Polícia Civil, a Operação Locatário envolve o prefeito de Paulista, seis servidores públicos e o dono de uma empresa de locações. O esquema desviou cerca de R$ 900 mil, segundo as investigações.

Júnior Matuto também foi um dos alvos dos mandados da Operação Chorume, que investiga a fraude em licitação envolvendo uma empresa de limpeza urbana do município de Paulista. A suspeita é de que o valor desviado seja de R$ 21 milhões, de acordo com a Polícia Civil. Além do prefeito, o casal dono da empresa e seis servidores municipais são investigados.

Fonte: NE2