Autor do crime foi autuado em flagrante quando saía de seu estabelecimento, em Olinda

Um comerciante foi preso em flagrante na última sexta-feira (10) por venda de material de construção furtado. Flávio Augusto da Silva foi interceptado pela polícia no fim da tarde, quando fechava seu estabelecimento no bairro de Jardim Atlântico, em Olinda. No local, foram encontrados 137 latões de massa corrida e 69 de tinta, todos da marca Coral. Os itens estavam sem nota fiscal e sem idenficação do lote.

Através de pistas, policiais chegaram até uma casa de praia em Pau Amarelo, em Paulista, que supostamente servia de esconderijo para os produtos.
Através de pistas, policiais chegaram até uma casa de praia em Pau Amarelo, em Paulista, que supostamente servia de esconderijo para os produtos.

A polícia começou as investigações a partir de denúncias de que Flávio vendia mercadoria roubada em sua loja, o Armazém de Construção Olinda Tintas. Através de pistas, policiais chegaram até uma casa de praia em Pau Amarelo, em Paulista, que supostamente servia de esconderijo para os produtos. O caseiro da residência revelou que Flávio realmente usava o local para guardar material de construção, pois alegava que não havia espaço suficiente no armazém. Após prestar esclarecimento, o rapaz foi liberado.

De lá, a polícia seguiu direto para a loja. Flávio, que já estava fechando o estabelecimento, foi obrigado a prestar informações. Quando perguntado da procedência da carga, o comerciante tentou despistar e apresentou notas falsas. Pressionado, ele acabou confessando que comprava mercadoria sem nota fiscal, com quase 75% de desconto. No armazém, a mercadoria encontrada foi avaliada em quase R$ 9.500, mas foi adquirida por Flávio por aproximadamente R$ 3 mil.

Flávio da Silva não soube dar informações a respeito dos responsáveis que lhe venderam a mercadoria. De acordo com a polícia, os latões estavam sem identificação do registro do lote. Estima-se que ela tenha sido furtada por integrantes do transporte da Coral, em novembro do ano passado.

O comerciante foi preso em flagrante por recepção qualificada e também por porte ilegal de armas. Em vistoria no carro do indivíduo, os policiais encontraram uma pistola glock calibre 380, com 15 munições intactas. A arma possui registro, mas Flávio não tem porte para usá-la. Ele foi encaminhado ao Cotel e pode pegar até 12 anos de reclusão.

Fonte: JC Online