Cerca de 200 integrantes do Comitê Popular Contra o Aumento das Passagens estão realizando mais um protesto no Centro do Recife, na tarde desta quinta-feira (9). Por conta disso, o tráfego na área central da capital pernambucana está complicado. Esta é a sexta manifestação por conta do reajuste das tarifas das linhas que transitam na Região Metropolitana do Recife. Os manifestantes alegam que o governo estadual e empresários do setor não estão levando em consideração suas reivindicações.

Grupo de estudantes que protesta contra o aumento das passagens de ônibus no Grande Recife realiza mais uma manifestação na Conde da Boa Vista.
Grupo de estudantes que protesta contra o aumento das passagens de ônibus no Grande Recife realiza mais uma manifestação na Conde da Boa Vista.

Os manifestantes fecharam a Avenida Agamenon Magalhães, sentaram na Governador Carlos de Lima Cavalcanti. Antes, o grupo passaram pela Avenida Conde da Boa Vista. Segundo as informações da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU), agentes estão monitorando o tráfego durante o protesto. Integrantes do BPTran também monitoram o protesto.

Os manifestantes se concentraram para sair em protesto na Rua do Hospício, em frente ao antigo Ginásio Pernambucano. Em seguida, se dirigiram para a Avenida Conde da Boa Vista. De acordo com a CTTU, os manifestantes seguirão até a Praça do Derby.

As passagens dos transportes coletivos da RMR teve como base de cálculo o índice de Preços do Consumidor Amplo (IPCA). No serviço convencional, a tarifa do Anel A subiu de R$ 2 para R$ 2,15; a tarifa B subiu de R$ 3,10 para R$ 3,25; a D, de R$ 2,45 para R$ 2,60; e a G, de 1,30 para 1,40. Aos domingos, as tarifas dos Anéis A,D e G subiram de R$ 1 para R$ 1,10; e a do Anel B, de R$ 1,55 para R$ 1,65. Os novos valores passaram a valer no último dia 22 de janeiro.

O sistema de transporte público metropolitano atende a 2 milhões de usuários todos os dias. São 26 mil viagens feitas diariamente na Região Metropolitana do Recife, por 3 mil ônibus. 18 empresas administram os coletivos que servem a 385 linhas.

Fonte: Diário de Pernambuco