Prestes a retornar ao comando da Prefeitura de Paulista, na próxima segunda, após decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, Júnior Matuto, à coluna, assegura que não tinha arestas com o vice-prefeito, Jorge Carreiro, até então. Indagado se já não estavam rompidos quando ele foi afastado da gestão, no último dia 21 de julho, Matuto devolve: “Primeiro que na minha delegacia não tem ladrão, todo mundo é polícia. Segundo, que eu sou o tipo de gente que você pode não gostar de mim, mas não pode me obrigar a não gostar de você. Jorge só tinha um empecilho para não gostar de mim: porque não foi escolhido para ser meu candidato a prefeito”. Matuto emenda: “A principal moeda da política é o voto, coisa que ele (Carreiro) não tem”. E, então, questiona: “Como é que você não gosta de um prefeito, é eleito, reeleito e nunca se posicionou contrário?”. O escolhido de Matuto para disputar, este ano, com seu apoio é Francisco Padilha, que foi seu chefe de gabinete. Carreiro assumiu a prefeitura como interino. Nesse período, apontou indícios de irregularidades e promoveu exonerações. Júnior Matuto foi afastado por decisão do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), a pedido da Polícia Civil (DRACCO), que desencadeou uma operação por supostos atos de corrupção na gestão municipal. Matuto pisa e repisa que foi motorista de caminhão de lixo. Uma das operações da qual foi alvo, batizada de Chorume, apura supostas fraudes em licitação para serviços de lixo em Paulista. Sobre a investigação, Matuto diz o seguinte: “O maior inimigo que eu tenho é o dono da empresa, porque, quando o TCE mandou diminuir a fatura, ele ligou um dane-se para cidade, que ficou lotada de lixo”. Daí, observa: “O lixo não lhe dá um voto, mas tira”. E segue: “Hoje, eu tenho ofício de Dirceu Rodolfo, atual presidente do Tribunal de Contas do Estado, dizendo que descontei mais do que a empresa merecia. Como Júnior Matuto é penalizado se não era operador de despesa? O núcleo gestor fazia um ótimo trabalho e, inclusive, Jorge fazia parte dele. Como ele não é nem citado? Foi aí que entendi que era armação”.

“Feito o diabo corre da cruz”
Do afastamento, em julho, para cá, Júnior Matuto e Jorge Carreiro não se falaram. “Ele corre de mim feito o diabo corre da cruz”, dispara Matuto, à coluna, ao ser questionado se os dois chegaram a dialogar. Carreiro apoia a pré-candidatura do ex-prefeito de Itapissuma, Igarassu e Paulista, Yves Ribeiro.

Do STJ ao STF > Júnior Matuto havia ingressado, no último dia 24, no STJ, como registramos em primeira mão, com um pedido de liminar para retornar ao comando do Executivo municipal. Como o presidente do STJ, a quem caberia decidir, ministro João Otávio de Noronha, não proferiu decisão, a defesa de Matuto foi ao STF.

Surdina > No STF, a defesa de Matuto protocolou uma suspensão de tutela. Dias Toffoli deferiu o pedido em poucos dias. Em estratégia da defesa, o pedido no STF tramitou em segredo de justiça.

Na cola > No STJ, Jorge Carreiro chegou a apresentar uma petição para tentar barrar a volta de Matuto. E, agora, ingressou no STF com um agravo regimental. O recurso pede a reconsideração da decisão pelo presidente do STF ou que a questão seja levada ao plenário.

Impostômetro > Integrante da Comissão Mista da Reforma Tributária, o deputado Tadeu Alencar tem batido na tecla de se ir além da simplificação durante as reuniões do grupo. Tem feito questão de reforçar a necessidade de justiça com a distribuição dos impostos de acordo com a capacidade contributiva de cada cidadão. A discussão foi tema de reunião com Paulo Guedes nesta semana.

Fonte: FolhaPE