Estava fora de Pernambuco quando tive a oportunidade de conhecer um pouco do que pensa o Prefeito João da Costa, numa palestra no auditório da Fiepe, no ano passado. Longe de ser um técnico que não entende de administração, ele me surpreendeu. Tem uma boa oratória, sabe conectar ideias e mostra conhecer bem a cidade. Depois de sua palestra, fui cumprimentá-lo e ele foi bastante amistoso e receptivo com quem nunca o tinha visto ou falado pessoalmente. Obviamente, a administração atual tem tido uma reprovação inconteste nas pesquisas e isso é tema para outro comentário. Noves fora o que se publica dela diariamente.

Mas o que me chama maior atenção é a falta de habilidade política do Prefeito e de sua entourage de fazer coisas simples e politicamente corretas. Sobretudo, ainda a capacidade para atrair para si a pecha de ‘incompetente’ junto com a ira da base aliada. Até mesmo um simples almoço que pretende ser o de ‘mea culpa’ pelo trato com os vereadores – existem vários que não são recebidos há seis meses – se mostra um festival de trapalhadas, dignas de um filme de pastelão, que infernizam a vida do Prefeito e trazem mais problemas do que soluções.

Aqui pra nós, quem foi o sábio que ordenou que o convite para tentar minimizar esse desgaste saísse de um papel timbrado da Prefeitura? O almoço no apê do prefeito é privado e não público, correto? Isso é tão básico como a conta do IPTU que temos que pagar todo o ano. É caso e motivo pra demissão. Sem direito a justa causa. Tudo bem que, no poder, é difícil dizer alguma verdade ao Imperador, e se empregam mais áulicos do que conselheiros. A vocação “suicida”, entretanto, tem um preço. Mais cedo ou mais tarde a conta chega e é obrigatório se pagar. Não é crível que não exista um único assessor no prédio de 18 andares que possa organizar um almoço de Carnaval.

Ou será um boicote de dentro de casa que ele não consegue enxergar? Nessa autofagia, se o caso for, a petistada local ainda vão competir com os tucanos paulistas pra ver quem é o mais comilão.

E quem foi o rapaz que mandou enviar convites aos parlamentares rifando quatro por não rezarem na cartilha do mandatário? Depois que bobagem de retaliação é exposta (pela competente editoria de politica do Jornal do Commercio) volta-se atrás e convida-se quem não foi convidado? A argumentação justifica o “atraso” dos rifados por conta “da dificuldade para contactar alguns vereadores”… Risível ou trágico? Não dá pra a equipe, na falta do que dizer, ficar calada, não? Ou não seria o caso de demitir quem tá fazendo gol contra? Qual a razão de quase tudo na PCR virar escândalo sem fim?

Em pleno Carnaval, a Dra. Luciana Felix, (a quem não conheço, mas que deve ter qualidades que não a de ter sido esposa do Senador Humberto Costa para gerir uma Fundação de Cultura com orçamento de mais de R$ 51 milhões) me vem com a brilhante ideia de contratar fogos de artificio para o Carnaval? Isso depois de ter sete, isso mesmo, sete processos abertos pelo TCE com possíveis irregularidades que conjugam licitações fraudulentas, empresas fantasmas e superfaturamento? Claro, quem julga é o TCE e prejulgamento não leva a lugar nenhum, e pode levar sempre a eventuais injustiças. Mas Prefeito, eu juro e prometo não contar a ninguém, mas me diga uma uma coisa. O Sr. não tava sabendo mesmo de nada? E a idéia de contratar fogos por mais de R$ 1 milhão de diferença em relação ao ano passado, sem licitação, foi a de que outro sábio de sua equipe?

Se a moça está, durante todo o seu mandato, lhe trazendo mais aborrecimentos de que boas noticias, o sr. está esperando o Carnaval terminar pra demitir a executiva que o coloca todo o dia no jornal com uma agenda negativa e policial? Ou tem que falar com o ex-marido da moça pra pedir permissão?

Prefeito, politicamente acho que o Sr. tem o direito e vai mesmo disputar a reeleição. Vou até dar uma passada no seu camarote, a trabalho, mas por favor, chega de tanto constrangimento. Existe gente habilidosa e competente ao seu lado. Os secretários Claudio Ferreira (Jurídico) e André Campos (Turismo) são, talvez, os melhores. Nunca foram de sua “cozinha”, mas ganharam sua confiança por serem fieis e corretos. Talvez seja a hora de ouvir mais alguns com coragem de apontar os erros, do que dar ouvidos a quem diz todo o tempo que o Prefeito “acerta todas”.

O Sr. não pode mais errar, Prefeito João da Costa. Já errou demais e abusou do direito. Mostre coragem e demita quem lhe apronta convite pra almoço em sua casa com papel timbrado da PCR.

Faça um gesto, qualquer um, mas faça. Poder não combina com fraqueza. É o mínimo que o povo espera de um governante. Coragem, prefeito.

Fonte: Acerto de Contas