“Levei 10 minutos de Arthur Lundgren II, em Paulista, no Grande Recife, até o Terminal Integrado da PE-15, em Olinda”, afirma o estudante Jeferson Soares, comprovando o ganho de tempo dos ônibus com a liberação da faixa exclusiva para este tipo de modal nesta manhã de sábado (9). No passado, antes da liberação do trajeto entre o Terminal Integrado Pelópidas Silveira, em Paulista, até o T.I da PE-15, Olinda, era de 15 a 20 minutos.

Para os motoristas dos coletivos a ação também foi positiva. “Antes levávamos cerca de 30 minutos para realizar este percurso devido ao afunilamento que ocorre na Cidade Tabajara, que ainda tem uma cratera no local, mas agora, em 10 minutos chegamos ao T.I da PE-15”, disse o rodoviário Alexandre Augusto, que há 13 anos trabalha como motorista. Contudo, ele comenta que a fiscalização ainda é deficitária. “Muitos carros e motos continuam a utilizar a faixa exclusiva, o que aumenta o risco de acidentes e reduz nossa velocidade”.

Ainda falta qualificar os acessos para os pedestres ao longo do trajeto, que é de 4,7 Km. Vários trechos apresentam faixas de travessia apagadas, sem semáforos e com o mato alto, dificultando a visão, principalmente em frente ao cemitério Morada da Paz. Os acessos apenas estão com a manutenção em dia próximo ao T.I Pelópidas Silveira. Também existem pontos de retorno para os carros gerando pontos de conflitos com os coletivos, aumentando o grau de probabilidade de colisões e reduzindo a velocidade do transporte público.

A falta de informação também prejudicou os passageiros. Muitos não estavam sabendo das mudanças de localização das paradas. “Venho pouco aqui em Paulista, e demorei para perceber que as paradas tinhas sido relocadas para o canteiro central da via. É um problema, porque já demoramos para achar um lugar seguro para atravessar”, disse Ana Cristina, subgerente comercial.

Confira os vídeos que evidenciam algumas das dificuldades enfrentadas pelos pedestres no trecho liberado da PE-15:


Fonte: NE10