Essa é a sétima vez em que artefatos do tipo são entregues à PF. Munição de tanque de guerra também foi deixada com os policiais.

A Polícia Federal em Pernambuco divulgou, neste domingo (19), que recolheu mais duas granadas de morteiro de uso exclusivo do Exército. Essa é a sétima vez nos últimos dois meses em que artefatos do tipo são deixados na sede da PF no Recife, localizada no Cais do Apolo, área central da capital.

Desta vez, uma das pessoas que tinha a granada em casa, uma viúva de um militar, também entregou à polícia uma munição de tanque de guerra. Os dois objetos, inclusive, foram pintados de vermelho. A mulher, moradora do bairro de Afogados, na Zona Oeste do Recife, acionou a Polícia Militar na sexta-feira (17) após ver na televisão reportagens sobre outras granadas entregues à PF. Ela teria ficado preocupada com o alto poder destrutivo do equipamento.

Pelo mesmo motivo, no sábado (18), um morador de Paulista, no Grande Recife, também quis se livrar de uma granada de morteiro que utilizava como objeto de decoração em casa. O homem, que é pescador, contou ter encontrado o artefato há cerca de dez anos, após lançar uma tarrafa no Rio Capibaribe.

As granadas e a munição de tanque de guerra serão analisadas por peritos do esquadrão antibombas da PF e, em seguida, enviadas ao Exército, que providencia a destruição do material. Todas as granadas de morteiro entregues à PF até o momento possuíam substância explosiva. Por ser considerada munição e não uma arma de fogo, a granada não gera nenhuma indenização para quem a entrega na Campanha Nacional de Desarmamento.

De acordo com a Polícia Federal, o Exército Brasileiro (7ª Região Militar), por meio do Setor de Fiscalização de Produtos Controlados, é a instituição competente para transportar artefatos do tipo de forma segura. Quem tiver uma granada em casa, deve agendar uma visita dos militares até o local para que o objeto seja retirado. O telefone para informações é o (81) 2129-6295.

Fonte: G1 Pernambuco