Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), as cinco cidades – Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata – foram colocadas no decreto por critérios epidemiológicos

Com 1.004 casos e 65 mortes por Covid-19, a cidade de Paulista, na Região Metropolitana do Recife (RMR), solicita sua inclusão no decreto da quarentena obrigatória anunciado pelo Governo de Pernambuco na última segunda-feira (11). A medida restritiva, anunciada pelo Governo de Pernambuco na segunda-feira (11), abrange o Recife, Olinda, Camaragibe, Jaboatão dos Guararapes e São Lourenço da Mata e começa a valer neste sábado (16).

Em entrevista ao programa “Conexão Notícias”, da Rádio Folha 96,7 FM, nesta sexta-feira (15), o prefeito de Paulista, Júnior Matuto (PSB), informou que entregou ofícios ao Governo do Estado e ao Exército com a solicitação. “Elaboramos um documento e entregamos com um apelo para incluir a cidade no decreto”, diz o prefeito. O socialista aguarda resposta à solicitação ainda nesta sexta.

Todos os bairros de Paulista, exceto os localizados na zona rural, têm casos de Covid-19, segundo balanço da Secretaria municipal de Saúde dessa quinta-feira (14). “Quando soube da notícia do ‘lockdown’ em algumas cidades, achei que Paulista estaria incluída por ser a quarta cidade em casos no Estado. Temos limite com o Recife, com Olinda e com Camaragibe e Paulista deveria ter sido contemplada”, lembra Júnior Matuto.

“Infelizmente boa parte da população não está respeitando o isolamento e a outra está aflita cobrando ação da prefeitura”, acrescentou. Júnior Matuto destacou ainda que sem apoio não é possível decretar as medidas mais rígidas na cidade, por questões de efetivo. “É impossível decretar ‘lockdown’ sem apoio do governo e das Forças Armadas. Não temos condições”, continua o prefeito.

O que diz a Secretaria Estadual de Saúde
Por meio de nota enviada ao Portal FolhaPE, a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE) esclareceu que as cinco cidades foram escolhidas para o decreto “com base em critérios epidemiológicos”.

“Recife, Jaboatão dos Guararapes e Olinda, além de serem as cidades mais populosas do Estado, concentram o maior número absoluto de casos e óbitos. A cidade de São Lourenço da Mata, com 291 mortes por milhão de habitantes, possui a maior taxa de mortalidade de Pernambuco, estando entre os 20 municípios do Brasil com as maiores taxas de mortalidade pela Covid-19 e, por isso, fortemente indicada a ser incluída no Decreto do Governo de Pernambuco”, destaca o texto da pasta.

Camaragibe, segundo a SES-PE, foi incluída por sua localização geográfica e fluxo populacional para garantir a efetividade das ações em São Lourenço. “Camaragibe também possui alta taxa de mortalidade (177 óbitos por milhão de habitante), maior inclusive do que a taxa de Paulista, que é de 163 óbitos pela Covid-19 por milhão de habitantes”, continua a SES-PE.

A secretaria destaca ainda que não há impedimentos legais para que outros municípios pernambucanos adotem medidas para aumentar o isolamento social. “As prefeituras têm autonomia legal para tomar estas medidas e contarão com total apoio do Governo de Pernambuco”, ressalta a nota.

Por fim, a SES-PE reitera que, em caso de necessidade, novas ações poderão ser tomadas na medida e tempo oportuno para combater a propagação da Covid-19 no Estado.

Prefeitura diz que população é favorável
A prefeitura postou em seu site oficial uma pesquisa de opinião feita com moradores da cidade nas redes sociais. Segundo os resultados, 79% da população de Paulista se disse favorável à adoção da quarentena obrigatória na cidade.

De acordo com a prefeitura, 3.728 pessoas responderam à pergunta da pesquisa, realizada entre a segunda (11) e terça (12), logo após o anúncio oficial feito pelo Governo do Estado sobre a medida.

Isolamento social
Segundo o Painel Isolamento Social, do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), Paulista registrou 49,1% de adesão ao distanciamento na quinta-feira (14), sendo a 19ª cidade entre as 184 do Estado. O índice é considerado baixo pelas autoridades sanitárias, que recomendam pelo menos 70% como ideal no combate à Covid-19.

Fonte: FolhaPE