Ele é candidato a prefeito de Igarassu e polariza o pleito com o atual prefeito, Mário Ricardo, que tenta a reeleição

Ele diz que prefeito não é profissão, mas no caso dele bem que poderia ser, pois passou 20 anos como chefe do executivo dos municípios de Itapissuma, Igarassu e Paulista. Aos 68 anos, o eletricista Yves Ribeiro (PSB) vai disputar o sétimo mandato de um cargo majoritário como candidato a prefeito em Igarassu. Ele atribui a sua extensa carreira de prefeito ao fato de ser um bom gerente.

É o único candidato que está próximo do limite de gasto estabelecido pelo Tribunal Regional Eleitoral para eleger um prefeito que é de R$ 170,8 mil em Igarassu. Yves já recebeu R$ 162 mil na atual campanha. Desse total, a doação do PSB correspondeu a 89,51%; 3,06% foram doações de pessoas físicas e 7, 4% saíram do bolso do próprio candidato. “Foi a campanha mais difícil porque o dinheiro diminuiu. O que está nos ajudando são os voluntários”, conta Yves.

E esses voluntários não vão querer nada em troca depois? “Aproveitaremos algumas das pessoas que ajudaram na eleição somente para os cargos comissionados. Para ser servidor, na nossa gestão vai continuar sendo fundamental o concurso público e a qualificação profissional”, responde.

Em Igarassu não há guia no rádio nem na TV. As maiores despesas são com carro de som, material gráfico, eventos e postagens nas redes sociais. “Não trabalho 24 horas na campanha, porque durmo. É das 7h a meia-noite. Faço caminhada porta a porta todo dia, reunião à tarde, caminhada com os militantes no final do dia e outra reunião à noite”, conta sobre a rotina.

Nos quase 20 anos de mandato, Yves ganhou alguns prêmios como o Amigo da Criança pela Unicef, quando era prefeito de Igarassu e o Prêmio de Responsabilidade Fiscal pelo Conselho Nacional de Contabilidade, entre outros. Ele foi prefeito de Itapissuma de 1982 a 1986 e de 1993 a 1996; de Igarassu de 1996 a 2000, sendo reeleito em 2000. Em Paulista, se elegeu em 2004 e foi reeleito em 2008.

Embora em Igarassu a campanha tenha cinco candidatos, a disputa é polarizada entre Yves e o atual prefeito Mário Ricardo (PTB). O prefeito registrou uma receita de R$ 54 mil no TRE até a última sexta-feira. Desse total, R$ 50 mil foram doados por ele mesmo para a campanha, o que corresponde a 92%. “Essa doação é a minha contribuição para o município, por estar fazendo a minha campanha de forma independente. Não preciso da política para sobreviver. Já cortei charque na feira de Igarassu. Hoje, tenho minha empresa estabelecida na área de logística há mais de 30 anos”, conta Mário Ricardo. Atualmente, ele está licenciado da empresa da família administrada pelo seu filho.

À frente da cidade de Igarassu, Mario elenca que as principais ações na sua gestão foram iniciativas na área de educação – com 10 escolas municipais oferecendo café da manhã às crianças, a implantação a primeira escola de tempo integral na cidade numa parceria com a fábrica da Jeep –, instalação de duas escolas técnicas, sendo uma municipal e outra federal, e “a pavimentação de mais de 120 ruas”. O sítio histórico de Igarassu está abandonado com o Museu Histórico fechado e a Casa do Artesão também. “Essas obras são do governo do Estado”, dispara Mário Ricardo.

Fonte: JC